Recycled Ocean Plastic Resort

Projeto de hotel flutuante ao largo de costa utiliza a sustentabilidade como principal critério de design. Fotos: Margot Krasojević

O Recycled Ocean Plastic Resort é um projeto de um hotel recuperado que flutua ao sul do território externo australiano no Oceano Índico, onde um aumento na poluição por plástico danificou os ecossistemas do arquipélago Cocos (Keeling), prendendo e matando caranguejos eremitas, entre os crustáceos, que são uma parte importante dos ambientes tropicais (por dispersar sementes, aerar e fertilizar o solo, de modo que seu declínio passa a ter um impacto significativo nos ecossistemas circundantes).

Um software de simulação tem sido usado para entender o movimento e a migração de grandes resíduos de plástico em nossos oceanos. Este lixo plástico foi transportado através dos oceanos por giros oceânicos. A Margot Krasojević Architects, com esses dados, desenvolveu uma infraestrutura que se envolveria com o acúmulo de resíduos plásticos oceânicos. O software de simulação de correntes oceânicas cria um mapeamento do acúmulo de maior densidade de resíduos plásticos que serviu de ponto de partida para entender como coletar esses resíduos e colocá-los em uso construtivo, na produção de uma ilha artificial para habitação. Como o briefing solicitava um hotel, este foi um ponto de partida. O conceito do hotel em si deve evoluir como um processo contínuo, estrutura de autorreparação que cresceu a partir dos plásticos descartados descuidadamente capturados por seus filtros e braços inflados estendidos que recolhem e depositam o plástico para que ele seja colocado em feixes de malha, que atuam como dispositivos de flutuação. A ideia é inspirada por uma equipe holandesa que está estudando o uso de diferentes materiais recolhidos para recuperar a terra.

A ilha consiste em sacos cheios de malha de plásticos oceânicos recuperados, de garrafas a pneus; isso é então entrelaçado para criar um aterro sanitário flutuante. A área é ancorada ao fundo do oceano enquanto a areia e o lodo são depositados nos dispositivos de flutuação de plástico recuperado. A ideia é tornar a área hospitaleira para cultivar árvores de mangue cujas raízes crescem em torno de sacos plásticos cheios de malha, cimentando-os para criar uma estrutura estável. Os manguezais têm sido usados ​​como métodos de defesa contra inundações, capturando ou prendendo sedimentos para a autoconstrução de um tipo de parede de defesa, bem como atuando como prevenção de inundações devido às suas raízes que incham e absorvem a água impedindo a ilha de virar ou afundar.

A ilha depende desta fase de crescimento para se tornar habitável. Nesse projeto, eles usaram âncoras para localizar e posicionar a ilha de lixo e criaram uma grade para os feixes de plástico recuperado ficarem dentro, na qual camadas de sedimento e areia depositadas sobre a flotilha definiram uma base estrutural onde os manguezais foram introduzidos.

Um elemento importante do projeto é uma estrutura pregueada de tecido entrelaçado, feito de malha de fibra de concreto com semente biodegradável. Esses ‘tentáculos’ são liberados do retalho cerâmico ao entrarem em contato com o nível de água crescente. Eles se expandem e inflam na onda que se aproxima, afundando à medida que absorvem água, criando uma barreira artificial que prende os sedimentos e absorve a água da enchente. Em princípio, eles são as raízes artificiais do mangue que são o colete salva-vidas da ilha em uma emergência, pois expandem o sedimento preso, criando um terreno artificialmente projetado, quase como uma pista inflável. Cada tentáculo totalmente imerso se expande e cai em cima do próximo, criando uma parede temporária que impede a água de inundar a ilha, enquanto a apóia em caso de danos. Assim que a tempestade se estabilizar, os tentáculos serão esvaziados. Usando bombas alimentadas por painéis solares, a água é redirecionada para fora da ilha e lançada no Oceano Índico. Os tentáculos se expandem com o impacto com a pressão da água, mantendo a flutuabilidade da ilha.

A teia interligada é uma estrutura aberta que captura sedimentos e permite o movimento natural em toda a ilha. Atua como redes que prendem e criam uma estrutura para o sedimento se alojar e crescer em profundidade e densidade, a fim de aumentar o sedimento de construção de terreno para os manguezais e a subestrutura de poluição de plástico, enquanto tenta amortecer as ondas que funcionam como um quebra-mar, absorvendo energia e protegendo o litoral de novos danos.

O hotel oferece uma série compartimentada de quartos com dossel e terreno para camping. Os chuveiros usam água do mar filtrada e destilada, bombeada para a instalação usando energia solar.

A ilha cresce de acordo com seus habitantes que chegam à costa de barco. É um hotel rural autoconstruído que se torna um edifício comunitário coletivo para si e para os outros. Escapadas utópicas, corrigindo os desequilíbrios ambientais da poluição do plástico em nossos oceanos, enquanto aprecia a beleza de uma fuga de uma ilha autônoma, auto-sustentável e enriquecida pelo próprio oceano.

O software de simulação de correntes oceânicas identifica padrões de poluição de plástico que migram e circulam através das correntes oceânicas. Esses aglomerados de poluentes oceânicos e sua coleta e filtragem são os principais critérios de projeto envolvidos na localização e evolução da ilha.

Fale conosco
 loja@pini.com.br(11) 4858-5012

Fundada em 1948, a PINI é uma empresa de informação especializada no atendimento às necessidades dos profissionais e empresas da indústria da construção civil. Atua nas áreas de Mídia, Sistemas, Educação, Informação Estratégica e Consultoria.

Copyright © 2021 PiniWeb. Todos os direitos reservados.